Por Morrer uma Andorinha

Se deixaste de ser minha
Não deixei de ser quem era
Por morrer uma andorinha
Não acaba a primavera

Door het sterven van een zwaluw

Oh, je bent niet meer de mijne
maar ik ben nog steeds dezelfde
Door het sterven van één zwaluw
houdt de lente nog niet op


Como vês não estou mudado

E nem sequer descontente
Conservo o mesmo presente
E guardo o mesmo passado

Eu já estava habituado
A que não fosses sincera
Por isso eu não fico à espera
De uma emoção que eu não tinha

Se deixaste de ser minha
Não deixei de ser quem era
Vivo a vida como dantes
Não tenho menos nem mais

E os dias passam iguais
Aos dias que vão distantes
Horas, minutos, instantes
Seguem a ordem austera

Ninguem se agarre à quimera
Do que o destino encaminha
Pois por morrer uma andorinha
Não acaba a primavera

 Ik heb alleen het eerste, grappigste, couplet vertaald, toen heb ik het opgegeven.